Conhecimento clínico – síncope

POSSÍVEIS CAUSAS DE SINCOPE:

Síndrome do arco aórtico:

Esta síndrome produz síncope. O paciente pode ter pulsos carotídeos fracos ou abruptamente ausentes e pulsos radiais desiguais ou ausentes, os sintomas iniciais incluem suores noturnos, palidez, náusea, anorexia, perda de peso, artralgia e fenômeno de Raynaud. Ele também pode ter hipotensão nos braços; pescoço, ombro e dor no peito; parestesias; claudicação intermitente; sopros; distúrbios visuais e tonturas.

Estenose aórtica:

Um sinal cardinal, a síncope é acompanhada por dispneia de esforço e dor torácica anginosa. Achados relacionados incluem fadiga acentuada, ortopneia, dispnéia paroxística noturna, palpitações e diminuição dos pulsos carotídeos. Normalmente, a ausculta revela “galops” auriculares e ventriculares, assim como sopro de ejeção sistólica crescente decrescente, em crescendo, mais pronunciado na borda esternal direita do segundo espaço intercostal.

Disritmias cardíacas:

Qualquer disritmia que diminua o débito cardíaco e prejudique a circulação cerebral pode causar síncope. Geralmente, outros efeitos se desenvolvem primeiro, como palpitações, palidez, confusão, diaforese, dispnéia e hipotensão. Mas na síndrome de Adams-Stokes, a síncope pode ocorrer várias vezes sem aviso prévio. Durante a síncope, o paciente tem assistolia, que pode precipitar espasmos e sacudidelas mioclônicas se prolongada. Ele também tem uma palidez cinza-acinzentada que progride para cianose, incontinência, reflexo de Babinski bilateral e pupilas fixas.

Hipoxemia:

Independentemente da causa, a hipoxemia pode produzir síncope. Efeitos relacionados comuns: confusão, taquicardia, inquietação e falta de coordenação.

Hipotensão ortostática:

A síncope ocorre quando o paciente se levanta rapidamente de uma posição reclinada. Segue-se uma queda de 10 a 20 mmHg ou mais na pressão arterial sistólica ou diastólica, taquicardia, palidez, tontura, visão turva, náusea e diaforese.

Ataque isquêmico transitório:

Marcados por déficits neurológicos transitórios, esses ataques podem produzir síncope e diminuição do nível de consciência. Outros achados variam com a artéria afetada, mas podem incluir perda de visão, nistágmo, afasia, disartria, dormência unilateral, hemiparesia ou hemiplegia, zumbido, fraqueza facial, disfagia e marcha desconcertante ou descoordenada.

Neuralgia do glossofaríngeo vago:

Nesse distúrbio, a pressão localizada pode desencadear dor na base da língua, faringe, laringe e resultar em síncope que dura vários minutos.

Outras causas:

Uso de drogas específicas: leia a literatura de informações sobre drogas, comparando o que o paciente está tomando com as chances de desenvolver síncope.

 

Edvaldo de Oliveira leme, R.N.C.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *